A energia eólica offshore, que são turbinas eólicas instaladas nos oceanos, vem crescendo nas últimas décadas. Mas a implantação dessas usinas se limita a áreas onde o fundo do mar é relativamente superficial e onde é fácil construir fundações para essas turbinas gigantescas. Pensando nisso, a Statoil e a Masdar, multinacionais do setor de energia, se uniram para a criação de turbinas eólicas offshore que funcionam de forma diferente.

O parque eólico piloto ficará a 25 km da costa de Peterhead, na Escócia, e ocupará cerca de quatro quilômetros quadrados em águas com profundidade entre 95 e 120 metros. A velocidade média do vento nesta área do Mar do Norte é de cerca de dez metros por segundo.

“O objetivo do parque piloto de Hywind Scotland é demonstrar soluções custo-eficientes e de baixo risco para futuros parques eólicos flutuantes em escala comercial”, diz Irene Rummelhoff, vice-presidente executivo da Statoil. O parque eólico abastecerá aproximadamente 20 mil lares quando estiver em produção a partir do final de 2017.

As turbinas desenvolvidas pelas duas multinacionais ao invés de serem fixadas ao fundo do mar, são ancoradas usando cabos que permitem que ela flutue com uma certa estabilidade. Outra vantagem da tecnologia é que elas serão desenvolvidas em larga escala, podendo ter seus custos reduzidos.

Segundo Sami Grover, do site TreeHugger, os custos da energia eólica offshore já estão em queda em relação às expectativas, e alguns defensores argumentam que as turbinas flutuantes serão ainda mais econômicas. As fundações são mais caras de serem fabricadas, mas muito mais fáceis de instalar, economizando tempo na água. Outro benefício é que seu movimento com o vai e vem das ondas deve reduzir as vibrações, o que talvez diminua custos com manutenção.

Escócia

A Escócia (em gaélico escocês Alba; em scots e em inglês Scotland ) é uma das nações que integram o Reino Unido (Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte) e tem como capital Edimburgo, uma das cidades mais incríveis da Escócia, que se configura hoje como um dos maiores centros financeiros da Europa.